“Que a errar, seja por agir e não por ceder ao receio. Que seja por arriscar voar e não por esperar que o vento mude.”

Perfil

//mais sobre mim

Arquivo

Posts

Sexta-feira, 06 de Janeiro de 2012

Das coisas que me deixam atónita.

Uma pessoa desempregada arranja um pequeno trabalho a fazer promoções num centro comercial. Passa uma colega de curso e conversam.

 

A: Ah estás aqui a trabalhar, está tudo bem contigo?

B: Pois tem de ser enquanto não aparece trabalho na área vou desenrascando-me a fazer aqui uns dias. Então e tu já arranjaste trabalho?

A: Sim já estou a trabalhar na nossa área, numa empresa. Mas tu é que estás bem aqui a trabalhar como promotora, quem me dera.

B: (cara de incredulidade a olhar para a outra e a pensar mentalmente: Pois devo estar melhor que tu. Eu é que estou bem aqui a matar-me a trabalhar sem folgas durante um mês para ganhar o mesmo que tu com folgas e férias. Eu amanhã já não tenho trabalho mas tu tens pelo menos durante os próximos muitos meses. Eu estou num centro comercial e tu estás a trabalhar na área que estudaste.) Sim definitivamente eu é que estou bem e tu é que estás mal.

 

Há gente que não sabe a sorte que tem. Se ela está assim tão insatisfeita por estar a trabalhar naquilo para a qual se formou eu troco de bom grado com ela… Tanta gente a mandar currículos para poder fazer o que ela está a fazer e ela desdenha com uma facilidade incrível.

Há coisas injustas.

 


Sexta-feira, 15 de Abril de 2011

Um baque forte no peito quando a vista alcança aquilo que parecia ter medo de reencontrar.

Uma timidez forte e robusta que parece tomar conta de cada gesto meu. Olhares fugazes antes de ser apanhada e um palpitar indecente no calor do bombear do meu coração. Aquele eriçar da pele quando as peles se tocam instantaneamente no perder de um segundo. O reparar nos detalhes e querê-los perto sem saber bem como… É a ignorância dentro de um e o turbilhão dentro do outro.

Há paixões que mais que saber se tem a certeza que nunca passarão dum só.

Restam as memórias do que não foi e já passou e o beijo de rompante de despedida na minha face. Ele nunca saberá o quão bem aquele beijo me soube e o quanto desejei ficar ali para conhecer melhor a personagem por detrás do tão pouco que conheci nestes dois dias. O the man.

Por fim o voltar a casa sem perspectivas de novo encontro e o total colmatar de um descer à terra quando os sonhos não passam disso mesmo.

 

miúda* às 23:03