“Que a errar, seja por agir e não por ceder ao receio. Que seja por arriscar voar e não por esperar que o vento mude.”

Perfil

//mais sobre mim

Arquivo

Posts

Quarta-feira, 09 de Maio de 2012

427391_329452973757282_305903172778929_801291_53349039_n_large

Surpreende-me, agarra-me, abraça-me e dança comigo em plena rua, em plena noite, em plena felicidade numa música que só nós parecemos ouvir.

Deixa-me cometer loucuras, só hoje.

 

miúda* às 01:47

Sexta-feira, 30 de Setembro de 2011

Tumblr_lsbphvmaoz1qhl4e6o1_500_large

Há já muito tempo que não saia até de manhã, e soube-me bem uma noite assim, dançar, rir, descontrair e sorver o ambiente.

Quase que sentia falta daquele reboliço de estudantes, animados em conversas paralelas, num emaranhado de gente como só aquela parte da cidade sabe ficar nesta altura. Nem acredito que terminei o curso e já não faço parte daquilo. 

Contudo, ao entranhar-me cada vez mais naquele ambiente, afinal não lhe sentirei assim tanto a falta. Passar pelas miúdas e miúdos que parecem ter acabado de sair das saias dos pais e já estão ali vestidos e a comportar-se como "gente grande" de copo na mão, mete-me confusão. Elas nos seus saltos altissímos, muito maquilhadas e dentro de pedaços de pano que deixam mais à mostra do que aquilo que tapam não é normal. Eu, de sapatilhas, calças de ganga e t-shirt fui mais vezes chamada de caloira ontem que muitas daquelas raparigas que lá estavam a começar a gozar o seu tempo de estudante disfarçadas de mulheres.

Como dizem "momentos que passam, saudades que ficam", mas só de algumas coisas.

 

 

miúda* às 18:30

Sexta-feira, 19 de Março de 2010

Deixo o calor vencer e retiro o casaco que me recobre os ombros desnudos. Uma pele branca ausente de sol sobressai no escuro de contornos que me cerca.

Permito que a multidão que dança frenética neste espaço apertado me consuma.

A música entra no meu corpo como uma ignição de movimentos descoordenados que vou propagando. Um balanço de luz que incide alternadamente leva-me ao patamar seguinte na entrada de um mundo paralelo, um quase instante em que sonho acordada.

É noite dentro e vejo a chuva bater forte na grande janela de vidro em que ninguém parece reparar.

Aos poucos o álcool sorvido de um só gole atraiçoa-me e entra-me veloz no sangue toldando-me a vontade e o pensar. Mas mesmo assim fujo daquelas mãos que me procuram a pele desnuda no meio da confusão. Não as quero, não quero qualquer imediação. Quero-me a mim e á minha capacidade de ser só. Um amor só vale quando dois querem e eu não quero.

Por agora basta-me a desordem que se vive num bar algures perdido numa qualquer rua da cidade.     

 

miúda* às 05:55
:
tags: ,