“Que a errar, seja por agir e não por ceder ao receio. Que seja por arriscar voar e não por esperar que o vento mude.”

Perfil

//mais sobre mim

Arquivo

Posts

Sexta-feira, 19 de Março de 2010

Deixo o calor vencer e retiro o casaco que me recobre os ombros desnudos. Uma pele branca ausente de sol sobressai no escuro de contornos que me cerca.

Permito que a multidão que dança frenética neste espaço apertado me consuma.

A música entra no meu corpo como uma ignição de movimentos descoordenados que vou propagando. Um balanço de luz que incide alternadamente leva-me ao patamar seguinte na entrada de um mundo paralelo, um quase instante em que sonho acordada.

É noite dentro e vejo a chuva bater forte na grande janela de vidro em que ninguém parece reparar.

Aos poucos o álcool sorvido de um só gole atraiçoa-me e entra-me veloz no sangue toldando-me a vontade e o pensar. Mas mesmo assim fujo daquelas mãos que me procuram a pele desnuda no meio da confusão. Não as quero, não quero qualquer imediação. Quero-me a mim e á minha capacidade de ser só. Um amor só vale quando dois querem e eu não quero.

Por agora basta-me a desordem que se vive num bar algures perdido numa qualquer rua da cidade.     

 

miúda* às 05:55
:
tags: ,

Terça-feira, 16 de Fevereiro de 2010

Noite numa agonia desmedida.

Voltear relutante, falta de paz naquele que devia ser um sono tranquilo.

Um suor tímido que me recobre o corpo, uma respiração ofegante que parece gélida demais e me magoa a cada inspiração profunda e veloz que me prende os movimentos.

Uns olhos verdes.

Hipnotizaram-me sem me deixar sequer pestanejar.

Esquatejam-me a alma sem piedade, entram-me na mente e brincam com as minhas memórias qual gato solitário na sua conquista de território.

Intimidam-me a vitalidade e amaldiçoam-me a pobreza de espírito.

Perco o controlo e caio no abismo consciente do que faço como se algo mais forte me impelisse sem retorno.

Sorrio e deixo-me levar como se o prazer do errado fosse um sorver do Lotus da vida.

Medo.

Receio.

Acordo, aquele verde impenetrável desagua na traição e na desgraça dos sonhos e da vida... mais que aos outros a mim.   

Odeio tanto quanto amo o que não tem amor possivel.

Foi somente um pesadelo. 

Estou aqui.

Ciente que a vida segue neste mundo e não na ilusão fantasiada de uma noite fria de inverno consumida pelos medos de outrora.    

 

miúda* às 00:19
: