“Que a errar, seja por agir e não por ceder ao receio. Que seja por arriscar voar e não por esperar que o vento mude.”

//subscrever feeds

Posts

Terça-feira, 24 de Maio de 2011

 

A meio da conversa que tinha com o colega de trabalho, olha para mim numa tentativa de espicaçar e professa que as mulheres bonitas são burras, é-lhes suficiente ser bonitas.

Não me considero bonita mas percebi perfeitamente a entoação que me dirigia. Permaneço ausente e incólume como se não fosse nada comigo. Continuarei a responder-lhe-ei tal como tenho feito até aqui quando ele me pergunta algo: “Não sei, não faço ideia”. Porque não sou obrigada a saber a legislação portuguesa de cor e salteado. Porque não tenho de dar quando me rotulam automaticamente de ser oco.

Não me interessa que esteja a ser avaliada, não quero saber se a minha nota depende dele. Quando merecem o meu trabalho dou-o nem que tenha de dar três voltas ao mundo e vir. Às restantes levam a burra que pediram e a mais não sou obrigada que ninguém me paga para lá estar.

 

miúda* às 21:14
tags: ,

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.