“Que a errar, seja por agir e não por ceder ao receio. Que seja por arriscar voar e não por esperar que o vento mude.”

Posts

Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2011

Tumblr_kssa9wg2nl1qa1xd0o1_400_large

 

No outro dia enquanto procurava um papel encontrei uma velha caixa de sapatos. Vasculhei esses pedaços de infância. Bilhetes de cinema, de comboio, bilhetinhos trocados nas aulas, cartões, cartas, tudo o que se pode imaginar guardado e esquecido com o passar dos anos. 

Sempre gostei de bilhetes e cartas e de guardar tudo que que tivesse memórias, mesmo que hoje não esteja bem certas delas ao olhar para aqueles bocados amarrotados de lembranças. Outros lembro-me mais do que queria. Daqueles com caligrafia bem demarcada carregada de cheiros, sentimentos e recordações palpáveis.

Quantos bocados de papel encontrei que nunca chegaram ao destinatário, outros que não passam de desabafos meus. O que me ri com eles ao relê-los e quanta saudade consegui sentir de como naquele tempo tudo era simples e inocente.

Gostava de poder sentir todo aquele turbilhão de sentimentos outra vez. Às vezes tenho pena de nunca ter recebido uma carta de amor, daquelas à séria, que fazem sonhar.

miúda* às 15:13
tags: ,

Isso é que é uma falha grave, ou talvez um sinal dos tempos. Hoje, deve ser mais sms ou e-mails, que no fundo vai dar ao mesmo, com a diferença do perfume.
Beijinhos
viajanteintemporal a 31 de Janeiro de 2011 às 17:50

Acho que não vai dar ao mesmo. Email, sms, isso não se guarda como se fosse um tesouro, não tem cheiro, não tem letras palpáveis, não tem traços fisicos comprovados que se guardem num caixa para voltar a recordar passados anos e ainda se sentir a vida que tinha no instante em que foi guardada. Neste ponto sou um pouco antiguada, por muito que goste das facilidades de hoje, derreto-me com as pequenas coisas do antigamente :)
Beijinhos***
miúda* a 1 de Fevereiro de 2011 às 00:45

É por isso que eu digo que não há como escrever em papel, com uma caneta. Tem outro sentido, outro significado, outra profundidade.
Perdoem-me os aficionados das novas tecnologias (também gosto de algumas, mas de certo modo, penso que andam a maquinarizar-nos demais...), mas eu sou uma amante do papel e de "escrever à moda antiga".
E, claro que qualquer sms, mail, pdf, etc., por mais bonito e interessante que seja, nunca transmite a mesma magia que uma carta escrita com a caligrafia (das poucas coisas intransmissíveis nos seres humanos) de cada pessoa (individual).